27 de jan de 2016

A busca pela paz interior

Essa foi a primeira vez que voei minhas tranças por aí carregando meu caderninho pra cima e pra baixo,  por isso me permiti fazer mais anotações sobre momentos que certamente serão detalhados aqui.
Anotações que descrevem oque eu penso quando não estou pensando em nada, e que me faz pensar como o tempo voa quando vivemos coisas boas (o que vem acontecendo repetidamente, felizmente).
Vasculhando o tal caderno, que aliás, foi dado com amor pelo meu amor, percebo um característica de idealizar cada passo do destino. Quantas coisas realmente importantes vão acontecer? A cor das paredes irão combinar com meus sapatos?  
Voltando pra casa percebo que todas essas idealizações são inúteis, pois quase nunca acontece oque imagino, mas isso não quer dizer que seja ruim, afinal, há coisa melhor que se surpreender?


                                                                                Paranóias.



























Um comentário:

  1. Estou alegre por encontrar blogs como o seu, ao ler algumas coisas,
    reparei que tem aqui um bom blog, feito com carinho.Posso dizer que gostei do que li e desde já quero dar-lhe os parabéns, decerto que virei aqui mais vezes.
    Sou António Batalha.
    Que lhe deseja muitas felicidade e saúde em toda a sua casa.
    PS.Se desejar visite O Peregrino E Servo, e se o desejar siga, mas só se gostar, eu vou retribuir seguindo também o seu.
    A Verdade Em Poesia.

    ResponderExcluir