27 de jan de 2016

A busca pela paz interior

Essa foi a primeira vez que voei minhas tranças por aí carregando meu caderninho pra cima e pra baixo,  por isso me permiti fazer mais anotações sobre momentos que certamente serão detalhados aqui.
Anotações que descrevem oque eu penso quando não estou pensando em nada, e que me faz pensar como o tempo voa quando vivemos coisas boas (o que vem acontecendo repetidamente, felizmente).
Vasculhando o tal caderno, que aliás, foi dado com amor pelo meu amor, percebo um característica de idealizar cada passo do destino. Quantas coisas realmente importantes vão acontecer? A cor das paredes irão combinar com meus sapatos?  
Voltando pra casa percebo que todas essas idealizações são inúteis, pois quase nunca acontece oque imagino, mas isso não quer dizer que seja ruim, afinal, há coisa melhor que se surpreender?


                                                                                Paranóias.



























19 de jan de 2016

Fugindo



                        Estava frio, e chovendo, já estava com saudade dos solzinho, até que .................

Pena que não durou muito tempo, mas pra trazer a luz de volta a mente, vou carregar essas fotos pra iluminar meu dia, e (quem sabe) o de vocês.

Este  lugar, que se passa por Paris facilzinho é o Museu do Ipiranga, SP. Encantador, clássico, cultural, hippie, meio miami quando você passeia por lá. 
Infelizmente não pude aproveitar o máximo pois o museu estava fechado, mas meu pai (que viveu toda a adolescência ai) me contou o bastante pra voltar as aulas de história. O museu só volta em 202xxxxx por estar com problemas na estrutura, mas ó: ainda da pra curtir o parque e comer um pastel na feirinha. Como meu forte não são palavras, segue imagens:


















9 de nov de 2015

Mas olha pelo lado bom ...

Nessa última semana me encontrei presenciando aquilo que mais tive medo, algo que poderia chamar facilmente de "falta de admiração própria".

Desde que minha vida adulta começou- e eu não tive escolha a não ser vive-la- tenho mudado de planos constantemente, me irritado com coisas pequenas e aprendendo a viver a turbilhão.

Minha vida se tornou uma lista de 3 itens em um looping infito: trabalhar, estudar, dormir. Eu sempre fui avisada que isso aconteceria, e que seria a pior fase, não consigo discordar. Existem dois lados da moeda, terei 1 mil tostões para gastar em tickets, passagens aéreas e filme para a câmera. 
Mas olhando pelo outro lado, quando poderei desfrutar disso e sair fotografando só por fotografar?

Mas como o nosso dia é a gente que faz, e que tudo pode ser mudado com um levantar de pés, decidi sair da cama - deixar meus afazeres de lado - colocar meu vestido novo, minha câmera carregada, o pior - em uma dia de chuva- e mudei essa situação toda.

Eu e a pessoa que mais admiro no mundo, saímos por ai procurando novos rumos, devo dizer que tiveram seus contras. Mas agora tenho uma nova história pra contar.